Você já deve, certamente, ter ouvido falar da General Electric – uma das principais multinacionais de todos os tempos, mas talvez não conheça muito sobre a empresa que ajudou a mudar o mundo – principalmente no que se refere às tecnologias que envolvem o setor de energia elétrica.

Conheça mais sobre a história da companhia, acompanhe um breve perfil da General Electric e descubra como uma empresa fundada por Thomas Edison no século XIX tornou-se a décima sexta companhia mais líquida da bolsa dos Estados Unidos no primeiro quadrimestre de 2017.

 

A história da General Electric

A General Electric foi fundada em abril de 1878, na cidade de Schenectady, no estado de Nova York, pelo ilustre Thomas Edison – um ano antes do inventor dar vida à primeira lâmpada incandescente com filamento de carbono comercialmente viável do mundo. A empresa, no entanto, ainda não se chamava General Electric naquela época, mas Edison Electric Light Company.

Apenas em 1892 – quando já recebia financiamentos do banqueiro J.P Morgan, a companhia adotou o nome utilizado até os dias de hoje – fruto de uma fusão entre a Edison General Electric Company e a Thomson-Houston Company. A partir dali, os negócios – que eram limitados ao setor de energia – não pararam mais de crescer.

Ao longo dos anos, a empresa viu dois de seus ex-funcionários receberem o Prêmio Nobel: Irving Langmuir (química), em 1932, e Ivar Giaver (física), em 1973. Durante muito tempo, a GE garantiu o monopólio da tecnologia de fabricação de lâmpadas e de diversos outros equipamentos elétricos, e manteve-se firme na política de adquirir patentes e buscar inovações dentro de suas fábricas.

Atualmente, o conglomerado multinacional tem sede em Boston, no estado norte-americano de Massachusetts, e atua nas mais diversas áreas, como aviação, iluminação, energia renovável, petróleo e gás, indústria automotiva, produtos farmacêuticos, entre outras.

No ano de 2017, a General Electric foi considerada a terceira maior empresa dos EUA por receita bruta, de acordo com uma classificação da Revista Fortune 500.

 

General Electric no mercado financeiro

A General Electric aparece listada pela primeira vez na Bolsa de Nova York, nos EUA, em 1º de março de 1980, com cada ação negociada a US$ 1,00. Dez anos depois, em março de 1990, os papéis da GE em Nova York valiam US$ 5,35 cada.

As ações da empresa atingiram seu máximo histórico em setembro de 2000, quando chegaram a valer US$ 57,81. Durante a crise dos subprimes, no mercado norte-americano, as ações da GE caíram forte, e chegaram a US$ 8,51 em fevereiro de 2009.

A companhia, no entanto, se recuperou nos últimos anos. Em 1º de outubro de 2017, as ações da General Electric nos EUA valiam US$ 24,39 cada, garantindo à GE em uma capitalização de mercado de cerca de US$ 211 bilhões.

De acordo com um levantamento realizado pela empresa Economatica, a General Electric foi a décima sexta companhia mais liquida do mercado norte-americano no primeiro quadrimestre de 2017, movimentando cerca de US$ 909,4 milhões diariamente na bolsa dos Estados Unidos.

 

Confira alguns dos impressionantes números da General Electric:

 

 

Resultados da General Electric

O lucro líquido da General Electric ficou em US$ 1,19 bilhão no segundo trimestre de 2017. A receita da empresa ficou em US$ 29,56 bilhões no período. Apesar de uma queda em relação ao trimestre imediatamente anterior, os resultados superaram as projeções dos analistas.

 Já no último trimestre de 2016, a GE identificou um aumento de 35,7% no seu lucro em relação ao mesmo trimestre de 2015, alcançando US$ 3,48 bilhões no quarto período do ano passado, com receita total de US$ 33,09 bilhões.

Em setembro de 2017 a General Electric informou ao mercado a venda de sua unidade de soluções industriais por US$ 2,6 bilhões para a suíça ABB, que atua na fabricação de redes elétricas. Em 2016, a unidade negociada rendia US$ 2,7 bilhões em vendas para a GE, apesar de representar apenas 6% dos negócios da companhia.