Que a Microsoft é uma das maiores companhias do mundo há décadas, todo mundo já sabe. Mas você conhece a história da Microsoft e os caminhos que ela percorreu para se tornar a sétima empresa mais líquida dos EUA em 2017?

Acompanhe agora um breve perfil da Microsoft entenda por que as ações da empresa são tão procuradas por investidores de todo o mundo até os dias de hoje, a ponto de torná-la a sétima companhia mais volátil da bolsa dos Estados Unidos no primeiro quadrimestre de 2017.

 

A história da Microsoft

A Microsoft foi fundada em 1975 na cidade de Albuquerque, no Novo México, pelos amigos Bill Gates e Paul Allen, que tinha como objetivo inicial o desenvolvimento de um software em linguagem BASIC para um computador da IBM. Quatro anos depois, após serem contratados pela IBM para criar um novo sistema operacional, os sócios da Microsoft decidiram comprar o sistema Q-DOS, construído pela Seattle Computer Products, para aperfeiçoá-lo e transformá-lo no MS-DOS.

A compra de US$ 50 mil seria o estopim para o surgimento de uma das maiores empresas de tecnologia de todo o mundo. Algum tempo depois, a Microsoft firmou uma parceria com a Apple, de Steve Jobs, mas a acusação de plágio do presidente da Apple em relação à interface gráfica – que teria sido copiada e comercializada por Bill Gates através da Microsoft – fez com que a parceria fosse cancelada.

Em 1981, a Microsoft começou a trabalhar no desenvolvimento do Windows, que foi lançado em 1985, sob o nome de Windows 1.0. Dois anos depois, foi a vez do Windows 2.0 aparecer no mercado, oferecendo melhores gráficos e mais recursos ao usuário. Entre o final dos anos de 1980 e início da década de 90, a Microsoft apostou no aperfeiçoamento do Windows, chegando ao famoso Windows 95, sucedido pelo Windows 98.

Após a virada do milênio, a Microsoft decidiu expandir seus horizontes e apostar em outros mercados, como o mercado dos games, com o lançamento do xBox, e em outros produtos e serviços, através de aquisições. Em 2011, a Microsoft adquiriu a Skype Technologies por US$ 8,5 bilhões.

Até março de 2017, a empresa – com sede em Redmond, Washington – contava com mais de 120 mil empregados em todo o mundo.

 

Microsoft no mercado financeiro

A oferta pública inicial de ações (IPO) da Microsoft aconteceu em 1986, no Nasdaq. Em março daquele ano, as ações da empresa valiam US$ 0,10 cada; dez anos depois, em março de 1996, cada papel era comercializado a US$ 6,45. Em março de 2016 – 30 anos após sua oferta pública inicial nos EUA, as ações da Microsoft valiam US$ 55,23.

O crescimento da empresa e o aumento nos preços das ações desde o IPO foram responsáveis por tornar cerca de um terço dos 12 mil funcionários da Microsoft que adquiriram ações da empresa no final da década de 1980 milionários ou bilionários. Até hoje a Microsoft é vista como uma das empresas startup de maior sucesso em todos os tempos.

De acordo com um levantamento da empresa Economatica, a Microsoft foi a sétima companhia mais liquida do mercado norte-americano no primeiro quadrimestre de 2017, movimentando cerca de US$ 1,44 bilhão diariamente na bolsa dos EUA.

 

Confira alguns dos impressionantes números da Microsoft:

 

 

Os resultados da Microsoft

Os resultados da Microsoft são os verdadeiros responsáveis pela mais recente trajetória ascendente da empresa. O lucro líquido da gigante da tecnologia no ano fiscal 2015/2016 ficou em US$ 16,8 bilhões, enquanto a receita alcançou US$ 85,3 bilhões.

Em janeiro deste ano, o valor de mercado da Microsoft atingiu o patamar de US$ 500 bilhões – a primeira vez desde 2000, após a empresa divulgar resultados trimestrais positivos em Wall Street, que superaram as previsões de analistas pela sétima vez em oito trimestres.

Em abril deste ano, a Microsoft informou que seu lucro trimestral havia saltado quase 28% no terceiro trimestre fiscal de 2017, amparado pelo aumento nas vendas do Office 365 e dos serviços do Azure. O lucro líquido no período foi de US$ 4,8 bilhões.


O futuro da Microsoft

Para manter-se em alta no futuro, a empresa deve apostar forte no crescimento dos negócios de nuvem – que estão cada vez mais em alta em todo o mundo. A plataforma de nuvem da Microsoft (Azure) – cuja arrecadação subiu 102% entre 2015 e 2016 – deve ser uma das grandes protagonistas da Microsoft nos próximos anos.

E é neste setor que a presidente-executiva da empresa, Satya Nadella, pretende apostar o maior número de fichas – o que já vem fazendo desde 2014, quando o foco da Microsoft passou a ser os serviços em nuvem, a fim de compensar a desaceleração do mercado de PCs.

Apesar do aumento da concorrência na área de tecnologia nos últimos anos, a Microsoft manteve-se estável no mercado ao longo do tempo, e parece ter conseguido se reinventar e adaptar-se às novas necessidades do mercado e dos consumidores. A julgar pelo seu crescimento recente, a Microsoft e seus investidores poderão ter muito mais a comemorar num futuro próximo.