Uma história de mais de 110 anos repleta de desafios, crises, mas também de superação e resultados positivos. Este é o Bank of America, que surgiu nos EUA como um banco direcionado a imigrantes europeus e tornou-se um dos principais bancos norte-americanos.

Conheça mais sobre a história da instituição e acompanhe agora um breve perfil do Bank of America – que sobreviveu a terremotos, ao crash de 1929 e à crise dos subprimes e tornou-se a terceira companhia mais líquida da bolsa dos Estados Unidos no primeiro quadrimestre de 2017.

A história do Bank of America

A história do Bank of America começou no início do século XX, em São Francisco, na Califórnia. O banco nasceu em 1904, fundado por Peter Giannini sob o nome de Bank of Italy. A instituição – que hoje tem sede em Charlotte, na Carolina do Norte – tinha como objetivo ajudar imigrantes italianos na América.

Em 1909 – três anos após um grande terremoto abalar a cidade de São Francisco – o Bank of America fez sua primeira aquisição, comprando um banco em dificuldades da cidade de San Jose. Já no ano de 1929 - quando houve o crash na Bolsa de Nova York, a instituição adquiriu o Bank of America of San Pedro. A compra fez com que o banco se tornasse o maior de todo o estado da Califórnia.

Daquele ano em diante, o banco expandiu suas fronteiras e passou a estar presente em divrsas cidades do oeste dos Estados Unidos, tornando-se um dos principais bancos do mundo durante a Segunda Guerra Mundial


A instituição foi a responsável pelo surgimento do cartão de crédito, em 1958, que era conhecido como BankAmericard. Em 1975, o cartão passou a se chamar VISA. Mas foi na década de 1990 que o Bank of America consolidou-se entre os principais bancos dos Estados Unidos, após diversas aquisições de instituições financeiras norte-americanas.

Bank of America no mercado de ações

As ações do Bank of America listadas na Bolsa de Nova York valiam US$ 1,42 cada em março de 1980. Dez anos depois, em 1990, as ações do banco eram negociadas a US$ 9,70. Em outubro de 2006 os papéis da instituição atingiram picos históricos, chegando a valer US$ 53,57 cada, mas os valores despencaram drasticamente após a crise financeira de 2008, alcançando a mínima de US$ 3,95 em 2009.

O banco, no entanto trilhou os caminhos da recuperação, e manteve-se em ascensão após a crise. Esta recuperação fez com que as ações do Bank of America ganhassem fôlego, e recuperassem parte de suas perdas da crise dos subprimes. Em junho de 2017, os papéis do Bank of America em Nova York valiam US$ 23,67 (com base no fechamento do mercado em 4 de junho de 2017).

De acordo com dados da empresa Economatica, o Bank of America foi a terceira companhia mais volátil nos EUA no primeiro quadrimestre de 2017, movimentando cerca de US$ 2,31 bilhões diariamente no mercado norte-americano.

Confira alguns dos números do Bank of America:

 

 

Resultados do Bank of America

Em 2014, de acordo com um relatório da Scorpio Partnership Global Private Banking Benchmark, os ativos sob gestão do Bank of America somavam US$ 1,866 trilhões. Neste mesmo ano, o banco anunciou o pagamento de uma multa de US$ 16,65 bilhões para encerrar investigações sobre a venda de títulos hipotecários pouco antes da crise dos subprimes, nos EUA.

No ano de 2016, o lucro líquido do Bank of America alcançou US$ 16 bilhões, gerando um lucro de US$ 1,50 por ação no período. Em 2017, o primeiro trimestre da instituição foi positivo: a receita trimestral ficou em US$ 22,45 bilhões, enquanto o lucro líquido foi de US$ 4,86 bilhões – ou US$ 0,41 por ação.