Durante ida ao Japão para encontro do G20, o presidente Donald Trump avançou nas negociações com a China e fez história na Coreia do Norte

 

A ida do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao Japão, para o encontro do G20 no último semana, resultou em avanços importantes na relação dos Estados Unidos com países da região – e que poderão trazer benefícios não apenas aos EUA, mas também para economias de outras partes do mundo. O final de semana também marcou um feito histórico de um presidente norte-americano em território norte-coreano.

Após se encontrar com o presidente da China – para tentar colocar um ponto final na Guerra Comercial entre os países, Trump tornou-se o primeiro presidente norte-americano a entrar na Coreia do Norte. O motivo do ato inédito foi um encontro com o ditador norte-coreano, Kim Jong-Un, a fim de tratar da desnuclearização da Coreia do Norte.

 

EUA e China

O encontro entre Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, ocorreu em Osaka, no Japão, no último sábado (29). A reunião entre os líderes era a mais aguardada por todo o mundo na cúpula do G20 – uma vez que poderia dar fim à Guerra Comercial entre as potências, que se arrasta desde o ano passado.

O fim do impasse ainda não ocorreu, mas avanços foram, certamente, notados no Japão. De acordo com informações da imprensa, Trump confirmou, na reunião, que não irá impor novas tarifas sobre as importações da China – que poderiam chegar a US$ 300 bilhões – e afirmou que as negociações entre Pequim e Washington seguirão ocorrendo para que seja possível fechar um acordo comercial.

Além disso, a Casa Branca anunciou que o governo norte-americano permitirá que a chinesa Huawei volte a comercializar seus produtos nos EUA. De acordo com Trump, os produtos da marca – considerada a Apple da China – poderão ser vendidos por empresas.

Após a reunião, o presidente norte-americano disse que a relação com a China "está de volta ao caminho certo" e destacou que o encontro com Xi Jinping foi "ainda melhor" do que ele poderia esperar. A trégua anunciada no final de semana mostra que, de fato, ambos os países estão, de fato, empenhados em solucionar o impasse comercial.

 

Trump na Coreia do Norte

A visita de Donald Trump à Coreia do Norte aconteceu no domingo (30), quando o presidente dos EUA deu alguns passos para dentro do território norte-coreano, acompanhado de King Jong-Un, antes de voltar para a Coreia do Sul para uma conversa com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in. O encontro foi sucedido por uma reunião a portas fechadas com o líder da Coreia do Norte.

Após o encontro, Trump afirmou que a reunião foi "muito, muito boa" e informou que um diplomata norte-americano seguirá intermediando as negociações relacionadas à questão nuclear na Coreia do Norte.

O terceiro encontro entre os líderes ocorre poucos meses após a cúpula realizada no Vietnã, em fevereiro deste ano. Na oportunidade, ambos os líderes deixaram o encontro antes do previsto sem qualquer avanço em relação à desnuclearização da Coreia do Norte. De acordo com a Reuters, o encontro do último domingo não avançou neste sentido.

Apesar disso, o convite de Trump, realizado via Twitter, para um "aperto de mão" entre ele e Kim Jong-Un em território norte-coreano, mostra que Trump está determinado em caminhar – mesmo que a passos lentos – para um acordo com o ditador norte-coreano.