Confira quais foram os dois bilionários que mais ganharam e mais perderam dinheiro no ano passado no mundo, segundo a Bloomberg; ambos são CEOs de duas das maiores empresas norte-americanas

 

O ano de 2018 foi bastante agitado em quase todos os mercados mundiais. Em meio às oscilações, movimentaram-se também as grandes fortunas do mundo, com investidores e empreendedores aumentando seu patrimônio ou acompanhando a depredação dos seus bilhões – sobretudo no mercado financeiro.

De acordo com um levantamento feito pela Bloomberg, com base no ranking dos maiores bilionários do planeta, os norte-americanos Jeff Bezos – fundador da Amazon – e Mark Zuckerberg – fundador do Facebook – foram os grandes destaques do ano nas listas de multibilionários que mais ganharam e mais perderam dinheiro no ano passado.

 

 

Enquanto Jeff Bezos – considerado pela Forbes o homem mais rico do planeta – aparece como o bilionário que mais ganhou dinheiro em 2018, com um crescimento de patrimônio líquido de cerca de US$ 24 bilhões no período, Mark Zuckerberg encabeça o ranking da Bloomberg dos multibilionários que tiveram as maiores perdas do ano em relação às suas fortunas. O fundador e CEO do Facebook perdeu US$ 20 bilhões em 2018 em meio a sucessivos escândalos envolvendo a rede social.

De acordo com o levantamento da Bloomberg, Bezos, a fortuna do fundador da gigante Amazon está estimada em US$ 123 bilhões. E este montante poderia ser ainda maior se não fosse a perda de US$ 45 bilhões de Jeff Bezos no segundo semestre de 2018, impulsionada pela queda nas ações da varejista. 

Já a fortuna de Zuckerberg é estimada atualmente em US$ 53 bilhões.

 

Perdas e ganhos coletivos

No âmbito de perdas coletivas em 2018, os bilionários norte-americanos foram os que mais perderam dinheiro durante o ano passado, em um recuo de US$ 76 bilhões nas grandes fortunas norte-americanas, de acordo com a Bloomberg. Boa parte das perdas foram intensificadas pela queda nas bolsas em Wall Street durante o último mês de dezembro.

Os bilionários de Cingapura, por sua vez, registraram os maiores ganhos em dólar ao longo do ano passado – somando, em suas fortunas, um total de US$ 2,5 bilhões. Um resultado tímido, mas satisfatório diante das grandes oscilações e recuos nos mercados mundiais em 2018.