Papéis da gigante da tecnologia recuavam acima de 8,7% na abertura do mercado nesta quinta-feira (3), depois que a empresa anunciou corte em sua previsão de receita trimestral

 

As ações da gigante Apple recuavam 8,7% na abertura do mercado dos Estados Unidos nesta quinta-feira (3), depois que a empresa anunciou um amplo corte na projeção trimestral de vendas e receitas. O motivo da revisão para baixo nos números da companhia seria a desaceleração nas vendas de iPhone na China.

Em um anúncio divulgado na noite de quarta-feira (2), o presidente-executivo da Apple, Tim Cook, afirmou que a previsão de receita para o trimestre fiscal encerrado em 29 de dezembro foi reduzida para US$ 84 bilhões – ante uma estimativa inicial de US$ 91,5 bilhões dos analistas, segundo a agência de notícias Reuters. O valor também é bastante inferior às projeções definidas pela própria Apple, que era de uma receita entre US$ 89 bilhões e US$ 93 bilhões para o período.

 

 

De acordo com o presidente-executivo da companhia, a nova estimativa de vendas e receita da Apple está diretamente ligada à redução nas vendas do smartphone da gigante da tecnologia no mercado chinês, em meio à guerra comercial entre EUA e China.

"Embora tenhamos antecipado alguns desafios nos principais mercados emergentes, não previmos a magnitude da desaceleração econômica, particularmente na China", afirmou Cook, em mensagem enviada a investidores.

 

Ações em queda

Esta foi a primeira vez que desde 2007 a Apple emitiu um alerta sobre sua projeção de receitas antes de divulgar seus resultados trimestrais. A notícia, que pegou o mercado de surpresa, mexeu com o humor dos investidores e fizeram as ações da companhia desabarem antes da abertura do mercado norte-americano nesta quinta-feira (3).

Por volta das 12h (horário de Brasília), as ações da companhia desabavam 9,2%, ainda no premarket dos EUA. Na abertura do pregão, os papéis da Apple apresentavam ligeira recuperação, mas ainda caíam mais de 8,7%, sendo negociados a US$ 144.