Em Nova York, papéis da companhia encerraram o dia em alta de 10,99%; segundo Musk, fechamento de capital criaria um ambiente mais favorável à Tesla

 

As ações da fabricante de veículos elétricos Tesla dispararam 11% no pregão de terça-feira (7), em Nova York, depois que o fundador e CEO da companhia, Elon Musk, informou estar considerando tirar a companhia da bolsa Nasdaq, nos Estados Unidos. O anúncio de Musk, que ocorreu em sua conta no microblog Twitter na tarde de terça-feira, teve impacto imediato no mercado norte-americano, impulsionando as ações da fabricante.

"Estou pensando em fechar o capital da Tesla em US$ 420 (por ação). Financiamento garantido", disse Musk, no Twitter. O CEO da Tesla também afirmou, via microblog, que a retirada da companhia da bolsa "criaria um fundo para propósitos especiais, que permitisse a qualquer um ficar com a Tesla".

Após a divulgação dos posts de Musk, as ações da fabricante de veículos elétricos subiram para US$ 371,15, em uma alta de 10,99%. No acumulado do ano, as ações da Tesla já avançam 22% na bolsa eletrônica Nasdaq.

 

Decisão em análise

Horas depois de divulgar as informações sobre a Tesla no Twitter, o blog da companhia publicou uma carta a funcionários da empresa, afirmando que a decisão de fechar o capital da montadora ainda não havia sido tomada. O comunicado, no entanto, ressaltou que o objetivo de um eventual fechamento de capital da Tesla seria "criar um ambiente para a companhia operar melhor".

"Como uma empresa pública, estamos sujeitos a grandes oscilações no preço de nossas ações, o que pode ser uma grande distração para todos que trabalham na Tesla, sendo que todos são acionistas. Ser uma empresa de capital aberto também nos sujeita ao ciclo de lucros trimestrais, que coloca uma enorme pressão sobre a Tesla para tomar decisões que podem ser adequadas para um determinado trimestre, mas não necessariamente corretas para o longo prazo", diz a carta, assinada por Elon Musk.

A possibilidade de fechamento de capital da Tesla chega em um momento de pressão da imprensa, de críticos e de reguladores do mercado sobre Musk e a Tesla, que se mantém como uma empresa  majoritariamente deficitária desde seu IPO, em 2010. Apesar dos resultados negativos, as ações da Tesla tiveram valorização superior a 2.100% nos últimos 8 anos.