Durante encontro, EUA e Coreia do Norte assinaram documento para desnuclearização e paz na península coreana

 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-Un, assinaram, em encontro histórico entre os líderes realizado nesta terça-feira (12), um documento que prevê a paz na Península Coreana e a desnuclearização norte-coreana. A realização da cúpula e fomentação de um acordo inicial marca um grande avanço na relação entre os dois países e em um possível processo de paz entre as Coreias.

O encontro histórico teve início às 9h de terça-feira em Singapura (22h de segunda-feira no horário de Brasília) e durou mais de quatro horas. Durante a cúpula, Trump reforçou a necessidade da desnuclearização da Coreia do Norte para novos progressos envolvendo a região e a própria Coreia do Norte, enquanto Kim buscava conquistas o fim das sanções contra seu país.

 

Fonte: AFP/Getty Images

 

Sobre o encontro, Trump afirmou que ambos os países estão "preparados para começar um novo capítulo na história das duas nações", e classificou as negociações realizadas na cúpula como "honestas, diretas e produtivas".

O presidente norte-americano também explicou que a desnuclearização completa da Coreia do Norte "demora bastante tempo", mas reiterou que o processo deve ter início em breve e "será feito o mais rápido possível". Trump prometeu encerrar as sanções norte-americanas à Coreia do Norte assim que os mísseis do regime de Kim forem desativados.

 

Fim dos exercícios militares na Coreia do Sul

Após a reunião em Singapura, o presidente norte-americano decretou o fim dos exercícios militares dos Estados Unidos - em conjunto com a Coreia do Sul - na península. A medida foi tomada após os EUA se comprometerem a "providenciar garantias de segurança" À Coreia do Norte.

Trump afirmou que a decisão tem como objetivo para os "jogos de guerra", que deverá resultar também em uma grande economia de dinheiro ao governo norte-americano. Em troca, os EUA receberam de Kim Jong-un a reiteração do seu 'firme e inabalável comprometimento pela desnuclearização completa da península coreana".

 

Retirada de soldados da Coreia do Sul

O anúncio do fim dos exercícios militares na Península Coreana também levou Trump a reforçar seu interesse em retirar soldados americanos da região no futuro. "Quero tirar os mais de 20 mil soldados americanos da Coreia do Sul e trazê-los para casa. Isso foi uma promessa minha de campanha", disse Trump.

O presidente norte-americano ponderou, no entanto, que a retirada de tropas americanas do território sul-coreano não faz parte das discussões iniciadas na reunião desta terça-feira em Singapura.

 

Expectativas pós-encontro

A primeira reunião entre os líderes de ambos os países não trouxe nenhum avanço imediato além da assinatura de um documento de comprometimento entre as nações, mas representa um importante avanço em direção ao fim do programa nuclear da Coreia do Norte e ao início de um processo de paz entre o governo norte-coreano e a Coreia do Sul.

O encontro também deixa aberta a possibilidade de uma segunda conversa entre Donald Trump e Kim Jong-Un no futuro, que poderia ocorrer em Washington, nos EUA.

O resultado do acordo entre Estados Unidos e Coreia do Norte, no entanto, dependerá dos próximos desdobramentos dos fatos e, principalmente, do cumprimento dos compromissos firmados por parte do governo norte-coreano.