De acordo com a KCNA, líder da Coreia do Norte teria confirmado publicamente seu interesse em conversar com o governo norte-americano

 

A agência oficial de notícias da Coreia do Norte, a KCNA, informou nesta terça-feira (10) que o ditador norte-coreano Kim Jong-un admitiu publicamente, no início desta semana, o interesse em abrir diálogo com os Estados Unidos. A notícia de uma possibilidade real de um avanço diplomático inédito entre Coreia do Norte e EUA reforça as chances de encontro entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o ditador norte-coreano nos próximos meses.

 A possível aproximação entre Coreia do Norte e EUA teria sido citada em uma reunião com funcionários do partido, por meio de um relatório "sobre o desenvolvimento dos últimos acontecimentos na península da Coreia". No documento, segundo a KCNA, estaria prevista a realização de uma cúpula com a Coreia do Sul – prevista para este mês – e "perspectivas de um diálogo" com o governo norte-americano.

O encontro de Kim com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, está previsto para acontecer no próximo dia 27 de abril. Uma possível reunião com Donald Trump não tem ainda data para ocorrer, mas especula-se que os líderes poderiam se encontrar entre os meses de maio e junho.

 

Trump confirma encontro

Também na última segunda-feira, o presidente Donald Trump confirmou planos para realização de uma reunião com Kim Jong-un  nos próximos meses. Trump também afirmou que mantém a esperança de alcançar "um acordo de desnuclearização" com a Coreia do Norte a partir do encontro inédito.

Apesar das falas do presidente norte-americano, Pyongyang não confirmou qualquer possibilidade de conversas sobre o encerramento de seu programa nuclear – que tem gerado grande tensão geopolítica na península coreana.

Segundo a agência de notícias Reuters, a possível reunião inédita – cuja data e local ainda são desconhecidos – entre os líderes poderia ocorrer na Suécia ou na Mongólia ainda no primeiro semestre de 2018.